Saúde do viajante: Malária

Saúde do viajante: Malária

A Malária é uma doença grave, prevalente em alguns países do mundo classificados como em vias de desenvolvimento.
Caracteriza-se por uma infecção causada por um parasita denominado Plasmodium, transmitido através da picada de mosquitos do género Anopheles.

Existem quatro tipos de parasita Plasmodium, possíveis de causar a malária, o Plasmodium falciparum, o Plasmodium vivax, o Plasmodium ovale e o Plasmodium malariae. O Plasmodium falciparum é frequentemente o mais perigoso, sendo responsável pela doença na sua forma mais severa e/ou morte.

O que acontece na Malária?

Após a picada do mosquito, o Plasmodium é libertado na corrente sanguínea e infecta as células do fígado, levando à sua destruição e permitindo que milhares de parasitas entrem na corrente sanguínea e infectem os glóbulos vermelhos do sangue. Segue-se um ciclo de infecção, com a reprodução dos parasitas nos glóbulos vermelhos e a sua posterior destruição. Dependendo do tipo de parasita Plasmodium, o período de incubação pode levar de 9 dias a 10 meses, sendo o Plasmodium falciparum o responsável por um menor período de incubação, entre 9 a 14 dias.

Quais os sintomas?

Segundo o Dr. Stam, médico da clínica 121doc: “Os sintomas da malária podem desenvolver-se 7 dias após a infecção e a sua severidade pode variar de acordo com o uso ou não de profilaxia, no caso de ser uma infecção recorrente, do estado de saúde da pessoa infectada e do tipo de parasita que causou a infecção.”

Os sintomas mais comuns assemelham-se aos de outras infecções como a gripe (vírus influenza) e podem incluir febre, dores de cabeça, dores musculares, tosse seca, arrepios, suores, fadiga e cansaço, náuseas e vómitos. Em casos mais raros, a malária pode afectar a função cerebral e levar a convulsões e à perda de consciência.

Países de risco

As zonas de maior risco da malária incluem os países do continente africano, em especial a África do Norte, a América Central e do Sul, o Médio Oriente e a Ásia. Estima-se que mais de 100 países do mundo sejam considerados de risco para esta infecção, pelo que é importante estudar o risco do seu destino antes de viajar.

Prevenção da Malária

Existem duas estratégias preventivas que pode adoptar para evitar a infecção, a profilaxia da malária e a protecção contra as picadas de mosquito.

Para prevenir as picadas dos mosquitos, deve evitar sair no período nocturno, uma vez que este se caracteriza por uma maior actividade dos mosquitos responsáveis pela infecção. Opte por roupas que cubram as principais áreas do corpo e use repelente de insectos, principalmente nas áreas descobertas. O uso de redes mosquiteiras e sprays insecticidas é também muito útil, principalmente nas áreas de dormir.

Em relação aos tratamentos profiláticos, a sua utilização depende do risco do país ou região de destino, uma vez que esta profilaxia deve ser adaptada às condições de saúde do paciente, em especial no caso dos mais jovens, idosos, grávidas e imunocomprometidos. A maioria das pessoas infectadas com malária não segue a profilaxia, pelo que esta é muito importante para evitar a infecção.

Actualmente estão disponíveis vários tratamentos, adaptados ao risco do país de destino, podendo a sua toma e duração variar de acordo com o tipo de tratamento. “Deve cumprir a dose e a duração recomendadas do tratamento e assegurar-se de que tem a quantidade de medicamento suficiente para a sua estadia e após regressar da sua viagem, uma vez que na maioria dos casos deve ser feita a toma após o regresso durante 1 a 4 semanas.”

Tratamentos disponíveis

Apesar de a profilaxia ser a melhor opção para prevenir a infecção de malária, existem tratamentos antimaláricos para o tratamento desta condição.

A Cloroquina é o tratamento mais eficaz para tratar as infecções causadas pelo Plasmodium ovale ou Plasmodium malariae, sendo por isso recomendado para áreas de baixo a moderado risco de infecção.

No caso das áreas de risco elevado, onde estão presentes as estirpes mais resistentes do Plasmodium falciparum ou Plasmodium vivax, o tratamento com a cloroquina não é eficaz, pelo que se recomendam o Malarone (atovaquona e proguanil) e a Doxiciclina.

Se vai viajar para uma localização onde a malária é prevalente, é importante que siga a profilaxia da malária e adopte medidas preventivas para evitar a infecção. A malária é um doença grave e potencialmente mortal, mas também capaz de ser prevenida se tomar as devidas precauções.

Texto:Clínica 121doc